"Um espaço reservado para falar das lembranças, histórias e episódios dos mais de 60 anos de Mil Milhas Brasileiras. E de outras coisas mais!"

terça-feira, 30 de abril de 2013

Salada de carros em 1970


Registro da mistura de carros que foi a 10ª edição das Mil Milhas Brasileiras, realizada em novembro de 1970. Na foto estão:

Protótipo Marcílio (Karmann Ghia com motor V8 de Galaxie) - Nelson Marcílio e Juan Gimenez - 28º lugar
Protótipo VW Spyder nº 87 - Nathanael Townsend Jr. e Anésio Hernandes - 9º lugar
Casari A2 nº 97 - Renato Peixoto e Carlos Erimá - 8º lugar
Alfa Romeo GTA 1900 nº 94 - Piero Gancia e José Catapani - 4º lugar
Puma 1700 nº 63 - Eduardo Souza Ramos e Luiz Felipe da Gama Cruz - 11º lugar

domingo, 14 de abril de 2013

O talento Brasileito fazendo frente em novos "territórios"

As 6 Horas de Silverstone disputadas neste domingo, como prova de abertura da temporada 2013 do WEC - World Endurance Championship - teve como vencedores nas classes LMP2 e GTE Pro, os brasileiros Antônio Pizzonia e Bruno Senna, respectivamente. Isso é uma mostra de que o talento brasileiro ainda tem muitos "territórios para explorar", e ocupar o lugar mais alto do pódio. É para o fã de automobilismo valorizar esse feito, pois trata-se de uma categoria pouco conhecida no Brasil, mas que já teve uma prova realizada aqui, em setembro do ano passado, com a organização de Emerson Fittipaldi. Trata-se das 6 Horas de Interlagos, que neste ano, será disputada no dia 1º de setembro.

As vitórias de Pizzonia e Senna são mostras de que os pilotos brasileiros que correm/correrão no exterior devem olhar com mais atenção para categorias que ainda recebem pouca atenção no Brasil, se comparadas à F1. Há um universo a ser explorado em categorias como o WEC, DTM, WTCC e as categorias da Nascar, onde Nelsinho Piquet já obteve pole positions e vitórias. Há automobilismo forte fora da F1, isso é claro e todos sabem. Hoje o Brasil só tem um representante na categoria máxima do automobilismo, onde já foi o país com o maior número de títulos entre os pilotos, e corre o risco de num futuro próximo, não ter nenhum piloto brasileiro nela. Então, essa é a hora de esquecer um pouco a F1 e investir nas categorias pouco difundidas nacionalmente. Pois acredito eu que uma vitória numa prova de DTM, WTCC, WEC e Nascar vale muito mais que se arrastar em uma prova de F1 com um carro de fundo do grid. Ainda que as vitórias não cheguem de imediato, o trabalho contínuo é semente do sucesso. Nelsinho Piquet é a prova disso tudo.

Então muita boa sorte para Bruno Senna, Lucas di Grassi, Antônio Pizzonia, Nelsinho Piquet, Miguel Paludo e Augusto Farfus, que no mês que vem inicia a sua segunda temporada no DTM, onde já obteve uma vitória. Que eles continuem a levar a bandeira verde e amarela ao lugar mais alto dos pódios pelo mundo inteiro.


http://grandepremio.blob.core.windows.net/mycontainer/2013414165038_2013-wec-01-silverstone-R-astonmartin97_O.jpg

http://grandepremio.blob.core.windows.net/mycontainer/20134141951796_2013-wec-01-silverstone-R-pizzonia_O.jpg

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Miniaturas VW 1:64

Mais dois exemplares para a coleção de miniaturas Volkswagen, na escala 1:64. Um New Beetle conversível e um Golf GTi Cabriolet, geração IV, versão que não chegou a ser vendida por aqui pela fábrica.






segunda-feira, 8 de abril de 2013

Diesel: Uma novidade da Mil Milhas de 2002


Em 2002, um Alfa Romeo chamou a atenção durante a disputa da 30ª edição da Mil Milhas Brasileiras. Além da beleza do carro, que atraiu olhares por si só, havia a espectativa quanto ao desempenho do Alfa Romeo 156 2.4 Turbo nº 9, pois o propulsor do mesmo era movido a diesel, fato inédito na história da prova até então. A preparação para a corrida foi leve, pois vários intens originais foram mantidos. A potência original de 136 cv foi elevada a 170 cv, com remapeamento da injeção eletrônica e aumento da pressão da turbina.

A pilotagem do bólido ficou por conta do quarteto Osvaldo Lopez, Cristiano Ratazzi, José Bianchi e Cacá Clauset (os três primeiros eram argentinos), que formavam a equipe Quatro Rodas/Repson YPF. No grid, o sedã italiano largou na 56ª posição, no grid formado por 70 carros. A confiabilidade do equipamento, aliada à boa autonomia do motor JTD 2.4 Turbodiesel, fez com que o Alfa 156 parasse poucas vezes nos boxes, o que lhe deu vantagem em relação aos carros mais potentes e mais leves inscritos na mesma categoria (categoria I). No final, a ótima 9ª posição na classificação geral e o terceiro lugar na categoria I, na frente de vários protótipos, Marea e Brava, além de um Porsche GT2, com 319 voltas completadas.

Detalhes técnicos do carro:

Motor:
 
Dianteiro, transversal, 5 cilindros em linha, turbo e intercooler
Cilindrada - 2387 cm3
Potência - 170 cv a 3200 rpm 
Preparação - Novo mapeamento de injeção e alteração na pressão do turbo

Câmbio:
 
Manual, 5 marchas, tração dianteira

Freios:
 
Disco ventilado na dianteira e rígido na traseira

Rodas e pneus:
 
Liga leve, aro 16, pneus slick
 








 

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Johannis Likouropoulos em 1984





A foto de hoje é do Opala Stock Car nº 49 do trio Johannis Likouropoulos/Antônio Alexandre/Walter Corsi, que disputou a 14ª edição da Mil Milhas Brasileiras, em 22 de janeiro de 1984.